clan dos dragões

domingo, 6 de julho de 2014

Vocabulario dos dragões (Nomes de dragões)

Os dragões têm uma longa história de nomes terríveis impressionantes, capazes de gerar medo apenas quando falado. O nome de um dragão não tem poder intrínseco; em vez disso, o dragão associado a um nome é tão temível que qualquer ouvinte familiarizado com as façanhas do dragão pode ser acometido de um grande medo associativo. As pessoas tremem quando ouvem das façanhas de Dragotha ​​, o dragão morto-vivo. Eles gritam de espanto ao saber do dragão Ashardalon , que substituiu seu próprio coração com um coração de demônio. Quem pode esquecer Ciano Sanguevil , que quase destruiu a antiga nação élfica de Silvanesti sobre o mundo do Krynn?

Nomes de Dragão pode fazer mais do que gerar medo. Eles também podem inspirar sonhos de valor. A riqueza dos mitos, lendas e histórias heróicas relacionadas com nomes dragões derrotados por bravos cavaleiros, magos poderosos e plebeus de sorte ou manhosos. Por sua natureza, os dragões ganham uma grande atenção quando chamados. Pessoas em todo o mundo sentem ações dos dragões, esquemas, e até mesmo sonhos. Desde de um pequeno dragão chamado Aussir invadindo ovelhas,o poderoso Ashardalon com sua festa de almas pré-encarnadas, os nomes dos dragões comandam a atenção. Para muitos, esses nomes encarnar a magia inerente ao mundo, mas já sabemos que isso não é verdade, para membros de uma subclasse de dragões o nome de ashardalon é apenas uma referencia para os seguidores dos métodos de ashardalon.

Dragões vêm de muitas ordens e classes diferentes. Mesmo dentro desses grupos de dragões semelhantes, existe diferentes convenções de nomenclatura aplicada. Alguns dragões recebem os nomes de seus pais antes mesmo de eclodir. Outros nomear-se apenas depois de viver um tempo suficiente para encontrar uma necessidade de ter um nome. Alguns dragões podem receber nomes de outras criaturas que sabem de suas façanhas. Um dragão pode ter um novo nome no meio do caminho através de sua vida, ou para comemorar uma grande vitória ou para combater o tédio de uma vida que pode se estender por uma sucessão de séculos.


Alfabeto dos dragões (Linguagem comum)

A pegada audível de Dracônico a linguagem dos dragões, irrita os ouvidos de outras criaturas e inclui várias consoantes duras e sibilantes. Ela emprega sons que os humanos descrevem como sibilante (sj, ss, e sv), bem como um ruído que soa como uma besta limpando sua garganta (Archr ).

Palavras em Dracônico tem ênfase na primeira sílaba. Falas em Draconic expressam ideias importantes, enfatizando os começos e os fins das palavras. Escritores que usam "Iokharic" o alfabeto dos dragões marcam palavras importantes com um símbolo especial de cinco linhas que irradiam para fora como os raios de uma estrela ou como os chifres de Tiamat . Dragões podem usar este tipo de ênfase ao se referir a si mesmos, bem como ao comandar,falar em tom ameaçador, advertir, ou fazer suas linguagens comuns para o entendimento de humanos e escravos.


quarta-feira, 28 de maio de 2014

As sombras de Donatello Magnifico - Dragão Cromático Vermelho

Dragões Vermelhos habitam preferencialmente vulcões, tomando quilômetros de raio ao redor destes como seu território.

Palavras do dragão *
Deixo para aprender por minha conta e sobreviver o quanto for necessário para saciar minha vontade e meu ego com únicos ensinamentos que falo aqui em baixo.......
     *  Dragões vermelhos são os mais orgulhosos de todos os dragões.
     *  Todos os dragões se perderam em sua essência, menos os dragões vermelhos.
     *  Dragões Vermelhos são os mais terríveis de todos.
     *  Os Dragões Vermelhos são os mais ferinos.
     * Dragões Vermelhos agem como bem entendem, procurando apenas saciar seus impulsos, atender suas vontades, massagear seu ego e preservar seu bem-estar.

Habilidades naturais **

    O Dragão Vermelho também pode consumir uma "abocanhada" de lava. Uma vez que tenha feito isso, pode utilizar seu sopro de maneira diferente: cuspir uma bola de lava incandescente que explodirá ao atingir um alvo, gerando grande destruição no raio da explosão. Esta bola de lava é propelida em grande velocidade e tem um alcance maior que o sopro convencional.

Magia***

        Dragões Vermelhos crêem que seus corpos provêm tudo o que precisam para sobreviver, apenas recorrendo à magia em casos extremos. Quando o fazem, utilizam apenas o Direito dos Dragões. Possuem o Direito parcial sobre as Trevas e as sombras, além do Direito total sobre o Fogo e sobre a Terra. Além disso Podem respirar dentro da lava ou fogo.


FRAGMENTOS DE DONATELLO MAGNIFICO.

Elemento que rege: A terra sobre todas as formas, FOGO o poder desse elemento está acumulado em seu espírito e poder parcial sobre as trevas e as sombras

Certa vez, um jovem dragão, adentrou uma das academias de magia da igreja de tiamat, obstinado a se tornar um grande dragão sobre os ensinamentos de tiamat e seus dragões vermelhos. Nos anos que se decorreram ele foi aprendendo a arte arcana com muito afinco de modo que não houve algo difícil de se assimilar. Diferente dos outros estudantes que se interessavam muito pelas descobertas de tiamat, o jovem desenvolveu um estranho fascínio por algo comum até mesmo para as dragões não-arcanistas, as sombras. Ele tinha uma idéia sobre as sombras que não era explorada por outros dragões, por isso desde cedo iniciou uma importante pesquisa que resultou na descoberta de uma dimensão onde só haviam sombras. Ele a denominou Semiplano das Sombras. Devido a sua obsessão pelas sombras o jovem ficou conhecido como o dragão vermelho das Sombra.

      Após muitos anos de pesquisa, o vermelho da Sombra publicou seu trabalho, porém muitos arquidragões acharam este tipo de pesquisa muito perigoso assim como qualquer outro estudo sobre os Planos. Deste modo o vermelho da Sombra foi exilado da academia. Entretanto, Heder zapatero o seu pai leu o trabalho de seu filho e o chamou:
      "Meu filhote, este trabalho é seu?" Perguntou heder logo depois que seu filho entrara em seu covil.
      "Sim, isso é resultado de minhas pesquisas sobre as sombras. Mas infelizmente os arquidragões não gostaram e me expulsaram da academia."
      "Eu achei muito interessante, porque não discutimos sobre ..." Disse Heder quando foi interrompido por seu servo.
      "Milorde, A senhora Tiamat deseja falar-lhe."
      "Espere aqui filhote, tenho que resolver algo."

      Na ausência de Heder, Seu filho apreciava as obras de arte que estavam no covil de seu pai até que algo lhe chamara a atenção em cima do altar. Haviam muitos papéis, eram em sua maioria documentos. Um deles falava sobre os Pergaminhos de lagash. Donatello ficou muito nervoso quando viu aquele nome, pois sabia ele que os Pergaminhos de lagash são a chave para o conhecimento supremo da magia. Ele leu o documento e descobriu que se tratava de uma mensagem de Heder para o Conselho de wyrms pedindo emprestado os Pergaminhos de lagash remanescentes. Muitos desses pergaminhos foram roubados nos últimos séculos. Donatello leu toda a mensagem e colocou o documento de volta no lugar. Assim que Heder retornou ele mencionou seu interesse nas pesquisas de seu filho.
      "Como eu estava dizendo, eu achei interessante suas pesquisas em outros planos. Acho que posso ajudá-lo de alguma forma."
      "Como deseja me apoiar?"
      "Vou patrocinar sua pesquisa em troca dos resultados dela. Concorda?"
      "Sim, não me importo em compartilhar esse conhecimento com o senhor meu pai."

      Donatello entrou em acordo com Heder e retornou a sua morada. Dias depois todos na cidade do medo receberam a notícia de que foram roubados os últimos Pergaminhos de lagash. Apesar de serem levados por 100 guerreiros e alguns magos os pergaminhos desapareceram misteriosamente. Após alguns anos, Donatello, já com seu enclave erguido ao qual ele denominou de Obscura, finalmente fez suas primeiras viagens aos outros planos. Em especial ao Semiplano das Sombras.
doze anos haviam se passado desde que Heder zapatero resolveu financiar as pesquisas de seu filho Donatello. Heder convidou vários arquidragões da propria igreja de tiamat e de outros enclaves para uma festa celebrando a descoberta de seu filho.
      "Donatello, suas pesquisas foram fascinantes. São muito melhores que as anteriores." Disse um dos arquidragões que outrora repudiou o trabalho de Donatello.
      "Sugiro iniciarmos viagens a outros planos imediatamente. Devem haver muitos conhecimentos à nossa espera." Disse outro arquidragão.
Donatello sentou-se à pedra dentro do covil, pegou um pote de vinho, bebeu um gole e pensou "Idiotas pomposos! Antes renegaram meus trabalhos porque tinham medo do desconhecido. Agora dão tapinhas nas minhas costas. Tolos! Não sabem eles que estão prestes a serem destruídos.". Donatello deu um sorriso no canto da boca recordando-se do acontecimento incrível que lhe ocorrera quando viajava no Semiplano das Sombras. Era um lugar onde a luz não existia, apenas brumas negras que vagavam em um cosmo negro sem limite. Após dias de viagem, no tempo cronal do Plano Material, o Donatello, através de feitiços que lhe permitiam ver na escuridão muito alem de sua visão na penumbra, avistou um imenso vórtice à frente. Ele conjurou vários encantamentos para determinar o que era aquilo mas nada descobriu. Parecia um tornado negro com tons de cinza e púrpura. De repente a mágica começou a ser tragada pelo vórtice. Donatello conseguiu permanecer na em seu lugar até que ele foi atraído para o centro daquele tornado. Ao chegar lá, o vórtice  parou e uma presença surgiu. Era uma essência sombria com olhos vermelhos. Donatello a vislumbrou para tentar entender do que se tratava. A figura então disse em um voz Gutural  e forte:
      "Donatello, aquele que ama as sombras, eu o guiei até aqui."
      "Mas quem é você?" Perguntou o dragão ainda muito surpreso enquanto energias indefiníveis circulavam em uma tremenda velocidade ao redor da vórtice e da figura sombria.
      "Logo você saberá. É um amante das sombras assim com eu. Faça o que eu disser e será o segundo a ser agraciado pelo poder das sombras."
      "Poder das sombras? Sim, por favor! Qual é o segredo das sombras?"
      "Siga meus desejos e será o primeiro a controlar o poder da Ondulação Negra."
Donatello, muito emocionado como se tivesse esperado por aquele momento em toda sua vida, ajoelhou-se e clamou "Eu te obedeço a partir de agora. Diga-me, como posso adquirir tal poder?"
      "Antes, você deve saber o que vai acontecer. Aquele que é considerado o mais poderoso dragão em seu povo desencadeará a destruição de todos. Portanto, Donatello, traga todo seu reduto para este plano antes da catástrofe, mas antes, para assegurar que seus inimigos serão realmente destruídos mate o profeta."
      "Mas quem é o profeta?"
      "Aquele que tentará avisar o causador da destruição de seu erro. Agora retorne e cumpra minhas ordens."

      Após essas lembranças, Donatello terminou de beber seu vinho e se levantou. E despediu-se de todos e falou com Heder.
      "Eu gostaria de lhe agradecer mais uma vez por ter acreditado nas minhas idéias meu pai."
      "Não precisa. Todos nós lucramos com isso não é mesmo?"
      "Sim. Pai, eu queria avisar, eu ..."
      "Quer me dizer algo Filhote?"
      "Não, não era nada. Nos veremos em breve."

      Ao chegar na cidade do medo, Donatello iniciou seus preparativos para cumprir as ordens da misteriosa entidade sombria. Isso levou dois anos até que finalmente Donatello construíra um portal que levaria todo seu enclave para o que agora ele denomina de Plano das Sombras. Ele poderia partir quando quisesse, mas tinha de fazer algo antes de ir embora. Anteriormente, Donatello, ordenou que um dos seus alunos vigiasse todos aqueles que iam em direção ao Covil de seu pai. Num certo dia, seu aluno lhe informou que alguém de nome Samael tinha enviado uma mensagem a heder combinando uma visita urgente. Donatelo imediatamente rumou para o covil de Heder através de magia e lá ficou esperando. Samael havia chegado e donatello o abordou dizendo que era o filho de Heder. Samael estava muito nervoso e queria falar com Heder imediatamente. Donatello o conduziu a um lugar reservada e disse:
      "Por favor acalme-se Samael. Heder está um pouco ocupado agora. Por que não diz o que está acontecendo?"
      "São estes últimos acontecimentos, eles precedem uma grande tragédia." Disse o velho dragão.
      "Você fala do desaparecimento de alguem?"
      "Também, mas existem outras coisas. Os arquidragões, eles.."
      "Samael, Heder disse que resolverá o problema dos arquidragões. Não tema. Conte-me o que está havendo."
      "Muito bem, eu contarei a você e espero que me ajude a convencer Heder. Eu vi algo em minhas visões, elas mostram a imagem de Heder fazendo alguma coisa que vai nos destruir a todos. É algo relacionado com a deusa Tiamat. Nós temos de avisá-lo."
      "Mas você tem certeza disso?"
      "Absoluta, eu nunca errei em minhas precognições."

      A face de Donatello mudou de repente. Sabia que aquele era o profeta ao qual a essência sombria havia mencionado e tinha de fazer algo. Donatello conseguiu manter Samael ali e ofereceu um pouco de vinho. Donatello pegou o vinho colocou em cima de uma pedra e, sem que Samael visse, ele colocou um veneno que estava em seu anel e a ofereceu ao velho. Demoraram só poucos segundos até que o veneno começou a fazer efeito. Samael teve espasmos e tentou rosnar, mas donatello o sufocou com suas garras até que o velho parasse de respirar. Depois disso desintegrou o corpo de Samael. Tendo limpado a cena do crime Donatello voltou para seu covil via mágica.

      Alguns dias de passaram, Donatello comunicou a Heder sua pretensão em levar seu covil para o Plano das Sombras. Portanto, em um dia claro, alguns arquidragões uniram-se na cidade do medo e, usando um dracolich como conduíte para um ritual, eles abriram uma enorme fenda entre os planos. Podia-se ver por trás do portal um véu negro que parecia faminto. Heder e outros arquidragões assistiram todo o processo. O covil foi vagarosamente movimentado para dentro da fenda até ser tomada completamente pelas sombras. A única coisa em que Donatello pensou no momento foi "Eu consegui.". meu covil ficaria no Plano das Sombras por milhares de anos. Mal sabia ele que a entidade sombria por traz disso tudo era seu próprio pai que desafiou o seu filho a obter  o controle das sombras. Dias se passaram até que heder chegasse até seu filho para dizer o que se passara.
"filhote, venha falar com seu pai disse heder com um tom sério"
"Donatello, sim meu pai o que se passa?"
"Estou orgulhoso por você meu filho, finalmente conheceu o verdadeiro caminho e não desistiu dele mesmo com outros dragões lhe desprezando"
"Sim meu pai quando viajei para o semiplano das sombras encontrei uma criatura poderosa que me ordenou a seguir em frente"
"Heder, com uma olhar calmo simplesmente falou ao seu filho. Aquela criatura Sombria rodeada por magia era eu filhote"
"Donatello assustado e desconfiado pergunta: Porque não me disse antes?"
"Heder, Porque o caminho tinha que ser feito por vc para encontrar o poder das sombras, mas as sombras são apenas o primeiro passo para dominar a força infernal. Eu desejo agora que assim como seu Pai vc tenha o poder das forças e infernais e obtenha esse poder para se juntar conosco em nossa missão de unir todos os dragões, Suas garras serão bem empenhadas nessa causa"
"Donatello curioso sobre o que acabara de ouvir, desperta um imenso desejo pelas forças infernais e pergunta ao seu Pai. Como poderei ter poder sobre as forças infernais?"
"Apenas siga seus instintos, eles lhe guiaram até as Nove portas dos círculos infernais"
"Donatello então inicia sua longa trajetória em direção ao controle das forças infernais e resolve unir suas garras Com alguns dragões do conselho diante dos olhos de seu pai mas sabe que seu caminho é escuro e tiamat o guia na escuridão".

 Porém independente dessas lendas modernas, uma conspiração acontece sem que os humanos desconfiem Que tipo de criaturas realmente habitarão essa cidade? Isso pode ser perigoso para a nosso culto e nossa sociedade... e donatello tem um papel fundamental para agir nas sombras a favor do culto.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Primeiro voo do Dragão Negro Delsurf Dryke ®


Na América do Norte havia um Reino muito poderoso, pois quem habitava-o não podia ser pouco importante. E lá por trás de uma floresta, bem ao Sul deste reino, enxergava-se um imenso castelo, onde moravam Gryhan e Del.
Del todos os dias ia até o último andar do castelo, até a sacada, e olhava aquele céu imenso, abismado por tal grandeza, e sempre teve um pensamento, Aprender a voar, para descobrir aonde tinha fim aquele enorme céu.
Em uma das tardes em que Del estava lá em cima, Gryhan o avistou, e subiu atrás do Dragãozinho, e chegando lá o vendo perto da beira, a se vislumbrar com o imenso céu azul, o indaga :
- Vontade de descobrir até onde vai?!
Del virando-se e avistando Gryhan, o recebe com um abraço, pois tinha imenso afeto por ele, para Del, Gryhan era seu Pai, pois sempre o zelou. E então o respondendo, diz :
- Fico tentando imaginar o que tem amais, do que eu consigo ver daqui de cima do castelo...
E por alguns segundos obteve um silencio na sacada, os dois a olharem o imenso céu.
Gryhan, que desde que tinha se comprometido a cuidar de Del, nunca havia ficado em sua forma Mística novamente, então desceu sem que Del percebesse e adentrou um pouco à floresta.
Após alguns minutos Del é surpreendido por um enorme Dragão Negro, que batendo suas asas se aproxima e diz :
- O que está fazendo ai parado, pequeno bebê?! Está um dia lindo, por que não estás a voar e aproveitar?!
O pequeno Del meio desconfiado, pois nunca haverá de ver aquele Dragão por ali antes, responde-lhe :
- Eu não sei voar ainda, tenho medo de não aguentar e cair.
Gryhan, com seu imenso carinho, vira-se e manda Del subir em suas costas. O leva até uma parte da floresta, onde as folhas são bem macias, e começa a o encorajar :
- Vá, tente, é fácil, é só abrir suas asas e forçá-las com impulso juntando-se a correnteza de vento. Não se preocupe, estarei perto de você, lhe pegarei se ver que não está conseguindo.
Del se corroendo de medo, pois sem saber se podia confiar naquele Dragão que nunca vira, mas sentiu algo especial ao falar com ele, uma confiança e uma sintonia enorme, como se o conhecesse.
Eis que então Del se desgarra das escamas de Gryhan e deixando o vento lhe levar por alguns segundos, até que começa a bater suas asas, e pegando impulso vai subindo. Vendo que está conseguindo, se empolga e vai perdendo todo seu medo.
Gryhan, olhando-o feliz, muito feliz em ver aquele Dragãozinho, que saiu daquele ovo que obtinha, voando pelos céus. Vai se afastando sem que Del perceba e adentrando na floresta novamente, a voltar a sua forma humana e retornando ao castelo.
Del volta para o castelo e vai diretamente ao encontro de Gryhan, lhe contar que tinha voado pela primeira vez, o abraça calorosamente, e ficam ali por horas, Del empolgadíssimo lhe contando como foi, e Gryhan orgulhoso escutando com um sorriso nos lábios.

Primeiro Voo Dragão Vermelho Biellzinho Baxton (Gabriel) ®


Em  meu primeiro voo, eu me sentia cansado ao bater minhas asas ainda jovens para levantar voo, depois de um tempo de treino para me levantar da terra ao ar , batia minhas asas freneticamente ao me levantar do chão subindo e então cambaleando um pouco, fazendo De tudo para não cair, sempre tentando manter a calma subia a 200 metros de altura depois descia  em um rasante esplendido. Certo dia quando percebi que estava baixo de mais, mesmo depois de bater minhas asas ao máximo, cai em uma vala.
Me feri, e sentia dor em uma de minhas asas eu era uma vergonha aos meus pais ...
Mais tentei levantar voo novamente mesmo com muita dor em minhas asas, meus pais me deram as costas, eles sabia que eu era forte o suficiente para superar aquilo, estiquei meu corpo no ar passando por cima de meus pais.
Meus pais me olhavam com cara de orgulho mesmo depois de ter caído e ter me levantado rápido, eu sou um dragão valente por isso me ergui aos céus, sem evidencias de dor continuei praticando, a disciplina aliada com minha força de vontade me fez  vencer todos os medos e me levantei com fúria sem cambalear, essa era minha luta e continuei até que meu sangue fervesse em chamas....

Primeiro voo da Dragonesa de latão Ianthe Frey ®


Alguns meses já tinham se passado desde o meu nascimento e eu ainda não conseguia voar. Todos no clã diziam que eu podia alçar voo, chegando a afirmar que todos os dragões podiam voar e que isso era tão natural para a minha raça como o era o simples ato de respirar. Eu me lembro que no início, nos meus primeiros passos nesse novo mundo, eu usava aqueles estranhos apêndices grudados sobre minhas costas para manter o equilíbrio enquanto dava meus primeiros passos. Com o tempo me tornei especialista em usar minhas asas abertas para me ajudar a dar impulso enquanto corria. È bem verdade que muitas vezes nessas corridas meus pés chegavam a perder contato com o chão, mas então eu pensava que era assim que acontecia com todo mundo. Leila e Ahmir insistiam que eu podia voar e teimavam em tentar me ensinar agitando os braços para cima e para baixo, imitando o movimento das asas dos pássaros. Mas eu não era uma ave e os únicos pássaros que eu tinha visto foram algumas poucas espécies que habitam o oásis de Abalassa, mas eles eram pequenos e tinham penas nas asas ao invés de membranas. Eu não só estava longe de ser pequena como também não tinha penas no meu corpo. Como poderia eu voar?
Passaram-se dias que logo se transformaram em meses e, apesar de todos os esforços da tribo, eu continuava agarrada ao solo. Quanto mais o tempo passava, maior, mais pesada e mais medrosa eu ficava. Foram tentadas as técnicas de decolagem a partir do solo e também de uma determinada altura, mas toda vez em que meus pés perdiam o contato com o chão ou quando via que havia me distanciado do solo, eu perdia o controle e acabava me espatifando na terra como um peso morto, arrancando poeira do chão e gritos assustados das crianças. Perdi a conta de quantas vezes tentei e fracassei. Um dragão covarde, isso que eu era e o que mais temia admitir ser. Como se essa humilhação toda não bastasse, pertencendo a uma tribo nômade eu era obrigada de tempos em tempos a me deslocar no deserto caminhando e saltitando, acompanhando camelos e pessoas. Segundo o avô, dragões não foram feitos para caminhar nas areias do deserto e sim nos enterrarmos nelas por ocasião de tempestades; dragões foram feitos para voar, vencer distâncias e conquistar territórios. Aquilo já estava começando a ficar muito desagradável e a me incomodar. Todos olhavam para mim como se eu fosse uma espécie de piada e muitas vezes vi Ahmed brigar com os outros meninos que implicando diziam que eu não passava de um lagarto preguiçoso e super alimentado.
Estava tão aborrecida com aquela história e com a minha própria falta de coragem que resolvi dar um jeito naquilo. Passei a treinar todas as noites e, após todos terem adormecido caminhava em direção aos picos das montanhas que ladeavam o monte Tahat. Preparava o terreno, para não tropeçar em nada no meio do caminho, e saia em desabalada carreira só para frear desesperadamente quando chegava à beira do precipício. Ainda bem que freava pois naquela época, não sabia que com aquele frio todo e sem o ar quente das horas do dia eu provavelmente despencaria morro abaixo. Também tentei a abordagem da decolagem do solo usando apenas a minha força e a propulsão de minhas asas. Com certeza eu estava fazendo alguma coisa errada - hoje eu sei exatamente o que era – mas naquela época eu não tinha um exemplo para imitar e era muito orgulhosa para perguntar a quem nem asas tinha para voar. Assim continuei noites a fio, treinando e tentando sair do solo, mas confesso que alcancei poucos progressos até que um dia, acompanhando as crianças da aldeia numa excursão de escalar a montanha – eu sou até hoje excelente escaladora de montanhas – enquanto as crianças subiam pela trilha e eu escalava pelo paredão lateral enterrando minhas poderosas garras na rocha nua, algo terrível aconteceu.
Morando nas montanhas, o povo de KelAhaggar é acostumado às subidas íngremes e acidentadas, o que faz com que se tornem, desde a mais tenra idade, exímios escaladores. Para eles, vencer os obstáculos da montanha é tão fácil quanto caminhar na planície. Nada é mais natural para uma criança do Povo Azul, das montanhas de Ahaggar, do que procurar vencer os desafios impostos pela topografia que a cerca. Assim, uma vez a cada mês, eram organizadas excursões ao monte Tahat que se subdividiam em grupos variáveis em grau de dificuldade da escalada, dependendo da audácia, bem como da perícia, dos participantes. Desde cedo me revelei uma atleta de primeira linha, quando força e a capacidade de me agarrar a algum objeto ou superfície se faziam necessários, e sempre acompanhava os grupos nos diversos graus de desafio. Nesse dia especial era a vez das crianças menores fazerem a sua estréia subindo pela trilha que ladeava a montanha. Aparentemente fácil, a trilha era tortuosa e íngreme, chegando a ser extremamente estreita em alguns trechos do caminho. As crianças estavam animadas e não paravam de falar, os mais velhos apostando em quem seria o primeiro a chegar ao topo.
Foi dado o sinal e as crianças saíram em desabalada correria em meio a gritos e risos de alegria. Conforme a subida se tornava mais difícil e mais complicado ficava o terreno onde pisavam o ritmo e as conversas arrefeciam. Os menores iam ficando para trás enquanto os mais audazes tentavam manter a pose para não perder o prestígio ganho a duras penas. Eu seguia o grupo subindo pela parede leste, donde podia ter uma boa visão do que estava acontecendo na trilha. Aquilo para mim era mais um passeio que eu repetira vezes sem fim desde que me conhecia como dragão e, portanto, seguia despreocupada antecipando o frenesi que antecedia a iminente chegada ao topo. 
Já estava o sol de meio dia a castigar a meninada e a escalada em mais de dois terços de percurso percorrido, quando gritos de pavor me tiraram de meus devaneios e, horrorizada pude ver um dos meninos despencando montanha abaixo numa queda vertiginosa em direção ao chão. Sem pensar tirei minhas garras da rocha fria da montanha e lancei-me no vazio em busca daquele corpo que caía. Devo ter mergulhado uns 400 metros quando alcancei a criança e envolvi minhas garras em seu corpinho frágil, segurando-o com delicadeza. Nesse momento num reflexo, que há muito estava adormecido no abismo de minha memória, abri minhas asas, empinei meu focinho na direção do céu e com minha cauda guiei meu corpo voando para longe do perigo. Voando, sim, batendo minhas asas e simplesmente voando. Com a criança já recuperando os sentidos iniciei minha descida majestosa voando em espiral, me exibindo, diminuindo a velocidade conforme me aproximava do solo até pairar, levantando poeira com o bater de minhas asas, sobre a pequena multidão e depositar em suas ansiosas mãos a preciosa carga.
Depois desse dia já empreendi muitos vôos e experimentei deliciosas sensações a cada nova acrobacia realizada. Mas se me perguntassem qual o meu voo mais memorável eu diria que foi o meu primeiro voo. Não que ele tenha sido o melhor em execução e muito menos em estilo. Mas certamente ele foi aquele que me fez ter orgulho de minhas origens e respeito por tudo que meus ancestrais representam num mundo onde a Honra e a Força tanto ceifam quanto salvam vidas.

Primeiro Voo da Dragonesa Negra Giovanna Hermit ®


Muito   tempo se passou depois que chequei aqui em DARKNESS FALL. Aquela dragonesa frágil hoje já está adulta, mais forte e pode concretizar sua vingança contra todos que  destruíram  sua família.
Aqui em  DARKNESS FALL vivemos momentos de  guerra  pois temos inimigos de todo lado; sabemos que devemos  vigiar nosso tesouro e eu, como toda noite  durmo bem próximo ao covil e ontem não foi diferente, estive até alta horas  conversando com a  Ianth, a dragonesa de latão, na  taberna bem ali, resolvia descansar  pois dava uma vista enorme  do covil. Porém, o cacarejar  das  galinhas não me deixavam dormir e despertei muito furiosa e com muita fome, quando de repente olhei para o covil e vi algo estranho  no ar. Vi um morcego enorme sobrevoando o covil. Instantaneamente decidir que deveria  saber o que  ele buscava e, ao chegar perto, um estranho se aproxima, pensei  "Já tenho  meu  petisco para o café   da   manhã".
Olhei pra um lado  e para   outro e não vi  nenhum dragão de vigília, quando busquei o morcego no alto ele já tinha partido.  Só restava a águia voando no céu que era um dos dragões metamorfizados.
Então a mim, cabia saciar minha fome naquele momento e foi então que voei  ao encontro do  humano, aquela criatura desprezível teria muita sorte, serviria pelo menos para matar minha fome. Eu, Giovanna Hermit, odeio esta raça humana com toda a força do meu ser, por isso os deixo apodrecer para depois ingerir, os vermes na carne humana tem um gosto muito mais apurado.
Ao partir em direção do meu café da manhã eu não entendia o porque eu estava voando, assustada, me transformo em um dragão menor e mais jovem, e decido me aproximar  perguntei "O que queres humano. Sabes que aqui  você não pode entrar. O espantado humano disse que vinha das colinas e, ao dizer isso, se afastou um  pouco de perto de mim. Ele sabia do perigo que estava correndo pela cor de minhas escamas negras. O que eu não sabia porém é que esse estranho seria capaz de se defender tão bem quando decidi brincar um pouco com a comida. No meio da conversa eu  tentei ofendê-lo para que ele perdesse a razão e fosse me enfrentar, mas isso não aconteceu. O estranho era de fato muito mais esperto do que eu  julgava, era um mago. Por fim consegui irrita-lo com meu cinismo inigualável, obrigando-o a atacar-me. Foi uma luta muito divertida, Eu com uma forma muito menor e ele sem entender o que acontecia com suas poções magicas e encantamentos (era certo que eu queria meu cafe da manha mas também queria sentir o desespero do humano quando nada do que ele tentava funcionava em mim) magias poderosas foram lançadas, poções tiveram efeito contrário fazendo com que o desespero aumenta-se, quando infligi diversos cortes profundos no corpo de meu oponente com minhas pequenas garras o sangue derramado o deixava ainda mais fragilizado.  Eu passei dos limites do meu objetivo quando o acertei fatalmente, atacando-o  pelas costas - ele ainda teve tempo de um contra-ataque - agarrando-me  e  gritando de raiva em seu desesperado ultimo ataque “Morra agora, demônio desgraçado!” Observei seu  ultimo suspiro de vida quando instantaneamente meu corpo retorna ao normal esmagando o ultimo ato de coragem da criatura , Eu sentir bastante prazer em ver seu corpo estirado sem vida no chão esmagado, sento-me  ao lado do cadáver e começo a cortá-lo. Continuei cortando o cadáver daquele que foi meu adversário mais interessante, pois naquele mesmo dia eu já poderia voar, eu não comi nem um pouco daquela carne ainda quente, decidi deixar o que sobrou do cadáver  apodrecer por mais tempo do que deveria dentro do pântano assim ela teria o gosto bem mais digno. Com o espírito leve, voo normalmente sob o sol escaldante de  DARKNESS FALL,  rugindo feliz por estar voando e me divertido bastante nesta descoberta.... 



clan dos dragões © 2014. council of dragons Sponsored by: hedezapatero